terça-feira, 22 de abril de 2014

Morando na Alemanha: impressionada com as pequenas soluções do dia-a-dia (e consciência ecológica)

   Continuando com as primeiras impressões de morar na Alemanha... Nos meus primeiros dias aqui, me chamou muita atenção não só as belas paisagens e construções seculares (sem dúvida, bonito de se ver...) mas principalmente as pequenas soluções do dia-a-dia que tornam a vida do alemão mais PRÁTICA e eficiente... (já deu para perceber que praticidade é a palavra da ordem).  Desde as pequenas coisas (como um “arame diferente” para fechar a embalagem de pão) até as que geram grandes impactos como o hábito de andar de bicicleta e de reciclagem de garrafas de bebida... 
(falarei da bike num outro post, para não ficar muito longo!)
Pôr-do-sol em Lubeck (Portal da cidade)
   Mas vamos por parte.  Uma das primeiras coisas que tive contato aqui (não só na Alemanha mas acredito que em toda a Europa), desde a primeira viagem, é a garrafinha de esquentar água.  Os europeus gostam muito de chá e em todo lugar que eu fiquei hospedada havia essas “garrafinhas” (não consigo pensar num nome mais apropriado) - elas têm uma resistência dentro e existem vários modelos, desde o mais “baratinho” (~10 euros, com a resistência aparente) até os mais modernos (~25 euros, com uma placa de metal no fundo, no lugar da resistência).  É só colocar água dentro, ligar um botão e em menos de 30 segundos a água ferveu.  Simples assim.  Imagina o quanto de gás/eletricidade não se economiza com essas pequenas maquininhas?  Nem preciso dizer que me apaixonei perdidamente por elas e COM CERTEZA vou levar uma comigo quando voltar ao Brasil...

  Outra coisa que me chamou a atenção foi a qualidade/preço/praticidade dos pequenos produtos do dia-a-dia.  Me impressionei com o “fecho” que veio na embalagem de torradas.  No lugar daquele arame xexelento coberto por uma camada de plástico, que temos no BR, e que vira e mexe se rompe deixando o fio do arame à mostra (levante a mão quem já se furou com um aramezinho de pão! o/)... Temos uma solução plástica, inteligente, que se abre e vira uma verdadeira “vedação” deixando sua torrada fresquinha por mais tempo... Apaixonei no plastiquinho!!!!

     No supermercado, quando você vai comprar leite, por exemplo, não existe “integral”, “semidesnatado” e “desnatado” (o que vira e mexe confunde a cabeça da gente).  Eles colocam qual o percentual de gordura daquele leite! 3,5% (seria o equivalente ao nosso leite integral), 1,5% (semidesnatado) e 0,1% FETT (desnatado).  O mesmo acontece com o iogurte e os queijos! Fica muito mais fácil saber o que estamos comprando!  Me impressionou de verdade a clareza com que o comércio se relaciona com o consumidor.  Tudo é muito claro e direto...


   Por exemplo, as garrafinhas de água.  Um problema mundial de excesso de lixo (para saber mais, assistam a este vídeo AQUI)... E eles resolveram da seguinte maneira... Toda garrafinha que é passível de reciclagem tem um “desenho” na embalagem.  Este desenho é lido em máquinas, presentes em vários mercados e lojas.  Se você coloca sua garrafinha nesta máquina, ela lê o desenho e recolhe a garrafa, te devolvendo um “voucher” com o valor daquela embalagem para ser usado naquele estabelecimento.   Com isso, na hora de ver o preço exposto da mercadoria, eles colocam o preço do líquido (e abaixo, o valor da embalagem – “PFAND”)... De forma que, se você tem o hábito de guardar suas embalagens e levar de volta ao mercado da próxima vez, vai pagar apenas pelo líquido! E você também tem a opção de comprar embalagens não-recicláveis, cujo preço é só do líquido (PFANDFREI).  Mas nem preciso dizer que depois que descobri a maquininha, só quero saber de reciclar né!

     Da primeira vez que eu estive aqui, já haviam me dito que as embalagens PET de bebida eram todas recicláveis e que se você levasse ao supermercado, eles devolveriam o dinheiro gasto com a embalagem, bla, bla.  OBVIAMENTE, eu duvidei... Agora, depois de observar a maquininha e testemunhar, em alguns estabelecimentos, o próprio caixa devolvendo em dinheiro o valor da garrafinha, vi que a questão da consciência ecológica aqui não é brincadeira.  Nem a questão da clareza com o consumidor.  Quando você vai no mercado comprar alguma bebida, a “legenda” sempre tem o preço do líquido; logo abaixo, o valor da embalagem (“pfand”) e o ao lado o valor por litro (ou, no caso de outros alimentos, o valor por 100g).  Assim fica mais fácil comparar qual o produto mais barato (pois cada marca faz um produto com uma medida diferente); por exemplo, como saber se compensa mais comprar uma lata de 400 ml de azeite ou um vidro com 750ml? Aqui é simples, pois o preço por litro já está especificado na plaquinha! Sensacional!

     Outra coisa que me impressionou bastante foi a quantidade de produtos (os mais variados) orgânicos e a diferença de preço para os tradicionais.  É claro que o “orgânico” (aqui na Europa chamado de “Bio”) é mais caro, mas não chega a ser inacessível como é no Brasil... E a preocupação deles com a origem e a qualidade dos produtos é impressionante... Na minha primeira semana aqui conheci uma feira de produtores locais que vendiam produtos orgânicos e os preços eram praticamente os mesmos dos produtos regulares no mercado! 

     E para finalizar...  Desculpem a “intimidade” do comentário, mas isso não tinha como passar em branco (trocadilho péssimo kkkk)... Até o papel higiênico daqui é muito TOP! A folha é bem mais grossa e você usa um pedacinho bem pequeno que já “faz o serviço”.  No BR, mesmo comprando aquela marca boa (“a do mordomo”), vai quase o rolo inteiro em uma ida ao banheiro!  Imagina as marcas “genéricas”... kkkk... Aqui, mesmo a marca mais baratinha (tive que comprar pra testar né), 2 ou 3 quadradinhos são suficientes, é verdade!!!!!! Rsrsrsrs....  E o sabonete líquido para lavar as mãos no banheiro???  $0,65 centavos de Euro o pote de 500ml... EU JURO!!!! 

     Ser limpinho e ecológico aqui não custa caro não!
    Dito isto, ficou claro que estou aderindo ao movimento do #consumoconsciente ! E de um relacionamento mais respeitoso do comércio para conosco, consumidores!
     Porque clareza é limpeza e limpeza é saúde!
     Prost! (Saúde! Em alemão!)  :) 

3 comentários:

  1. Que tudo prima,deve ser um sonho viver assim. :)

    ResponderExcluir
  2. Muito show Ju, Temos muito que aprender mesmo! Quem sabe um dia (quando?!?!?!) chegamos lá?
    Bjs do Tio Jair

    ResponderExcluir
  3. Prima,

    Achei o máximo esse post. Acho que essa consciência é algo muito importante e um problema sério e recorrente por aqui. Mesmo após um evento recente de greve de garis que preocupou a população carioca com relação aos problemas do lixo, às inúmeras campanhas de reciclagem e separação de lixo (demonstrado que esta só é melhor por ter se transformado em fonte de renda para os catadores), parece que as pessoas têm um imediatismo inerente, reclamando apenas no calor do momento.
    Por coincidência, vi um exemplo pequeno de falta de incentivo agora, no mercado, onde a embalagem refil custa mais caro e vem menos quantidade do que a plástica de sabonete.
    Paga-se mais pela consciência aqui, infelizmente.
    Beijo!

    ResponderExcluir